• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com

Remédio inédito para fibrose cística chega ao Brasil

Julia Toledo26 de julho de 20183min0
a9bb9e03-dc24-450c-a66b-e6f987b096a7
Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou, nesta segunda-feira (23), o medicamento Orkambi®

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, na última segunda-feira (23) o registro do Orkambi®, um medicamento inédito no Brasil voltado para o tratamento da fibrose cística. De acordo com a agência, a substância é indicada para adultos e crianças com mais de 6 anos de idade.

Os pacientes poderão comprar o Orkambi® na forma de comprimido nas concentrações de 100mg + 125mg e 200mg + 125mg. O medicamento será produzido por empresas do Reino Unido e dos Estados Unidos da América. No Brasil, a empresa Vertex Farmacêutica do Brasil Ltda é responsável pelo registro e por trazer a substância para o mercado nacional.

“De acordo com a bula do medicamento, o uso do Orkambi® resulta em melhorias rápidas e prolongadas da função pulmonar, reduzindo as situações de hospitalização dos pacientes. Outro efeito positivo do medicamento é a melhora nas avaliações nutricionais das pessoas que se submeteram ao tratamento”, informou, em nota, a Anvisa.

Sobre a doença
Pacientes com fibrose cística sofrem com acúmulo e aumento da viscosidade de muco no pulmão. As vias aéreas ficam, assim, obstruídas, o que propicia a proliferação de bactérias e, consequentemente, infecções crônicas, lesão pulmonar e morte por insuficiência respiratória. Ainda não há cura para a mucoviscidose, como também é conhecida a doença, de origem genética e considerada hereditária.

A doença também pode afetar o pâncreas de maneira semelhante: nesse caso, o muco obstrui os ductos do órgão, o que gera perda de enzimas digestivas e má nutrição. De acordo com o Ministério da Saúde, apesar de o índice de mortalidade por fibrose cística ainda ser elevado, o prognóstico tem melhorado muito. Os índices de sobrevida são de 75% até o final da adolescência e de 50% até a terceira década de vida.

Fonte: Governo do Brasil, com informações da Anvisa, do Ministério da Saúde

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *