Advogado faz alerta sobre golpes aplicados pela internet e pelo telefone no Sul de Minas

Redação31 de maio de 20219min0
golpe123469534565779

Nas últimas semanas aumentou em nossa região o número de vítimas de golpes pela internet e pelo telefone que tem procurado a Polícia para lavrar boletins de ocorrência e também advogados para busca de possíveis ressarcimentos.

Dentre as várias modalidades de golpes aplicados, iremos destacar quatro tipos, que são os que mais têm ocorrido e que serão objetos de análise deste artigo.

GOLPE DA MENORIDADE – No primeiro caso o criminoso se passa por uma mulher jovem e muito bonita, puxa conversa com homens pelo Facebook e começa a fazer insinuações de cunho sexual, pede o número do Whatsapp, chega a enviar fotos sensuais e até mesmo nuas, conduzindo as conversas para assuntos de natureza sexual.

Na sequência outros criminosos começam a ligar para a vítima se passando por parentes da suposta mulher, dizendo ser ela menor de idade e começam a exigir que a vítima deposite dinheiro ou irão procurar a Polícia e denunciar a vítima por crime de pedofilia.
Se a vítima não deposita o dinheiro outros criminosos começam a ligar e mandar mensagens se identificando como inspetores, investigadores e até mesmo delegados da Polícia Civil ou da Polícia Federal, dizendo que foram procurados na Delegacia pela família da suposta menor de idade e que se a vítima não depositar dinheiro para compensar os danos morais da família que a mesma será presa e processada por crimes de pedofilia.
Para dar mais veracidade, enviam fotos de distintivos, carteiras funcionais, plaquetas de mesas de identificação policial, fotos de Delegacias e viaturas, usam nomes de delegados e de inspetores que realmente existem, entre outros.

Assustadas, muitas vítimas depositam dinheiro, tendo ocorrido casos de vítimas na região que perderam até R$18.000,00 (dezoito mil reais).

GOLPE DO FALSO EMPRÉSTIMO – Outro golpe é o do falso empréstimo, supostas empresas financeiras publicam postagens no Facebook que emprestam dinheiro fácil, que não exigem consultas ao Serasa e ao SCPC, entre outras vantagens.

A vítima então começa a conversar com os criminosos via Facebook e também por Whatsapp. A suposta financeira envia imagens de cartões de CNPJ da suposta empresa, enviam supostos contratos de empréstimo para a pessoa assinar e reenviar, e para dar mais veracidade enviam fotos do suposto funcionário com quem a vítima está negociando e dos supostos gerentes da empresa. Há casos que enviam ainda fotos de carteiras da OAB de advogados, como se eles fossem advogados da suposta empresa de empréstimos.

De início, pedem para a vítima depositar um valor como taxa de adesão, posteriormente, alegam que a vítima precisa de um fiador ou avalista, ou ainda de um seguro para o empréstimo, pedem que a vítima deposite um valor para que a própria financeira viabilize um fiador ou avalista, muitas vezes ainda inventam outras taxas e vão pedindo para a vítima depositar cada vez mais dinheiro.

Quando a vítima não suporta mais, desiste do empréstimo e pede o dinheiro de volta, eles alegam que a vítima precisa depositar uma taxa de devolução do dinheiro que eles então irão fazer o reembolso de todos os outros valores anteriormente depositados, e lá se vai mais um prejuízo. Houve vítimas na região que depositaram até R$6.000,00 (seis mil reais).

GOLPE DO CARTÃO CLONADO – Normalmente os criminosos escolhem vítimas idosas, ligam, fingem serem funcionários do banco onde a vítima tem conta ou recebe a aposentadoria. Dizem à vítima que seu cartão de banco foi clonado, pedem para a pessoa confirmar a senha, dizem que irão bloquear o cartão e mandar um novo cartão. Então dizem que um motoboy ou um funcionário do banco, ou que um policial civil irá passar na casa do idoso para pegar o cartão que será cancelado. Daí, já de posse dos cartões de bancos e das senhas, sacam todo o dinheiro das contas e ainda contraem empréstimos em nome da vítima sacando ainda mais dinheiro.

GOLPE DO REAJUSTE NA APOSENTADORIA – RECOMPOSIÇÃO DA INFLAÇÃO DO PLANO COLLOR – Os criminosos ligam para pessoas idosas se passando por funcionários da Previdência Social de Brasília, alegam ser do Conselho Nacional da Previdência Social e também se passam por advogados, usam inclusive o nome de advogados de Brasília que realmente existem para dar mais veracidade ao golpe. Dizem que a vítima tem direito a uma recomposição na sua aposentadoria pelas perdas inflacionárias sofridas durante o plano Collor em que o dinheiro ficou bloqueado.
Alegam que se o idoso depositar uma taxa que será revertida para custeio da Previdência Social sua aposentadoria sofrerá um reajuste e irá aumentar automaticamente nos próximos meses.

COMO SE PROTEGER – É importante esclarecer que policiais civis e policiais federais não ligam pedindo dinheiro para deixar de prender e processar, nem pegam cartões de bancos nas casas das pessoas para dar baixa nos bancos. Motoboys também não passam nas casas a serviço dos bancos recolhendo cartões de banco para dar baixa nos bancos.

Funcionários da Previdência Social, advogados desconhecidos, que nunca foram contratados pela pessoa, também não ligam pedindo para depositar dinheiro para reajustar automaticamente aposentadorias, nem há fórmulas mágicas ou milagrosas para reajustes de aposentadorias. É importante lembrar que todos os atendimentos prestados pelo INSS são gratuitos.

Empresas financeiras sérias não fazem propagandas de empréstimos e negociam exclusivamente via Facebook. Nenhuma financeira oferece avalistas ou fiadores mediante o pagamento de taxas. Também não é comum que uma empresa peça para você depositar dinheiro primeiro para depois receber o empréstimo contratado.

Ao receber mensagens ou telefonemas suspeitos, não repasse seus dados, informações pessoais ou de seus familiares. Não informe suas senhas bancárias, procure manter a calma e procure desconversar não demonstrando interesse. Nunca entregue cartões de bancos para desconhecidos que aparecerem na sua casa.

Sempre desconfie quando houver muitas facilidades sendo oferecidas. Em caso de dúvidas, entre em contato com a Polícia ou procure um advogado de sua confiança antes de tomar qualquer medida precipitada ou de depositar qualquer quantia em dinheiro.

Os criminosos normalmente utilizam contas bancárias e números de telefones em nome de laranjas, ou utilizam contas bancárias abertas e linhas telefônicas contratadas com documentos falsos para receberem esses depósitos, o que torna muito difícil conseguir identificar os criminosos e buscar reaver os prejuízos sofridos, por isso sempre tenha cuidado.

Mauro Gil Campos de Oliveira / OAB/MG – 180.846
advogado criminalista – Alterosa – MG

Fonte: A Folha Regional

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *