• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br

Centenas de professores protestam na Cidade Administrativa nesta sexta

Redação6 de maio de 20225min0
ezgif-2-f716c132fe
Servidores da Educação de MG paralisaram as atividades nesta sexta-feira e protestam em defesa do piso salarial para a categoria

Com bandeiras, apitos e tambores, centenas de servidores da Educação se concentram na Cidade Administrativa, sede do Governo de Minas Gerais, em Belo Horizonte, nesta sexta-feira (6/5). Em defesa da Política do Piso Salarial, a categoria retoma paralisação e volta às ruas três semanas após a suspensão da greve, que teve início no dia 9 de março.

As caravanas, vindas de todas as regiões do estado, chegaram ainda no começo da manhã. Os manifestantes ocupam parte do hall de entrada do prédio Gerais. “Temos representantes de todo o estado. Este é  um ato em protesto ao quinto dia útil de pagamento sem o piso salarial”, afirma a coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), Denise Romano.

A categoria protesta ainda contra a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), no Supremo Tribunal Federal (STF), que julga o reajuste de 33, 24% para a categoria, aprovado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), mas contestado pelo governo do estado. O recurso foi proposto pelo governador Romeu Zema (Novo) ao órgão de justiça.

“Neste caso, o governo judicializou a conquista que tivemos na Assembleia Legislativa. Hoje não temos o piso salarial por responsabilidade exclusiva do governo do estado”, enfatiza Denise.

Educação protesto
Categoria defende o piso salarial(foto: Leandro Couri/E.M/D.A Press )

Governo de Minas

Em nota enviada ao Estado de Minas, por meio da Secretaria de Educação, o Governo de Minas afirma que “continuará respeitando o pagamento do piso nacional do magistério em conformidade com o que determina a legislação federal”.

“Nesta sexta-feira (6/5), todos os servidores, incluindo os da educação, receberam seus salários com o reajuste de 10,06%, proposto e sancionado pelo governador Romeu Zema. O valor é o que a Lei de Responsabilidade Fiscal permite no momento, diante das condições orçamentárias do estado”, pontua.

“Por outro lado, caso não fosse aplicada a proporcionalidade, conforme previsto em lei federal, o valor a ser empenhado a mais, seria de R$ 13 bilhões anuais apenas na folha de pagamentos da educação, o que, no cenário atual fiscal do estado, inviabilizaria totalmente a execução das políticas públicas, incluindo a remuneração dos servidores e a prestação de serviços públicos”, completa o Governo de Minas.

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) informou, ainda, que encaminhou às unidades escolares as orientações com as diretrizes sobre a reposição dos dias letivos e da carga horária, referentes às escolas em que isso se faz necessário. “Com o intuito de preservar e respeitar os direitos dos estudantes e visando alinhar e planejar os procedimentos. Desde o último dia 30, as unidades já puderam começar a reposição”, afirma.

Fonte: Estado de Minas

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *