• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com

Densidade mamária e o câncer de mama; saiba mais sobre estudo

Redação9 de maio de 20226min0
breast-cancer-treatment-1024x683
Estudo sugere que a densidade da mama tenha causa genética e se correlacione com risco familiar de câncer de mama

A densidade mamária refere-se à composição da mama da mulher, e é dada pela proporção entre o tecido fibroso e glandular (que são o tecido que sustenta as mamas e suas glândulas) e o tecido adiposo (a gordura). O tecido mamário fibroso e glandular visto em uma mamografia é branco, ao contrário do tecido adiposo, que aparece escuro.

Mulheres na pré-menopausa com histórico familiar de câncer de mama têm um volume maior de densidade mamária observada durante a mamografia, de acordo com um novo estudo de duas coortes retrospectivas publicado recentemente na prestigiada revista médica  JAMA Network Open. Os achados sugerem que a densidade mamária medida durante a mamografia pode ter um componente genético e sugerem a importância de iniciar a mamografia precoce em mulheres na pré-menopausa com histórico familiar de câncer de mama.

Sabe-se que a densidade mamográfica é um fator de risco muito forte para câncer de mama, provavelmente um dos fatores de risco mais fortes, e também é um marcador substituto para o desenvolvimento de câncer de mama, especialmente em mulheres na pré-menopausa.

Adicionalmente, mamas densas também podem prejudicar o diagnóstico de câncer de mama através da mamografia, pois, como aparecem como áreas brancas, podem se confundir com lesões suspeitas de malignidade também brancas, como nódulos e microcalcificações. Portanto,  se o tecido mamário da paciente é denso, ou seja, predominantemente branco, pode dificultar a visualização dessas lesões.

Surpreendentemente, temos informações muito limitadas sobre como esses fatores de risco estão relacionados entre si. Houve apenas dois estudos realizados neste campo em mulheres na pré-menopausa, e os estudos são  Portanto, sentimos que precisamos realmente entender como esses dois fatores estão relacionados entre si e se isso teria um impacto na modificação ou refinamento do rastreamento mamográfico em mulheres de alto risco.

Pesquisas anteriores identificaram fatores de risco para tecido mamário denso.  Um estudo de associação de todo o genoma encontrou 31 loci genéticos associados ao tecido mamário denso e 17 tinham uma associação conhecida com o risco de câncer de mama.

No estudo publicado recentemente na prestigiada revista médica JAMA Network Open, os pesquisadores incluíram dados de mulheres que foram tratadas no Joanne Knight Breast Health Center e Siteman Cancer Center da Universidade de Washington.

O grupo de descoberta incluiu 375 mulheres na pré-menopausa que receberam mamografia anual em 2016 e tiveram volume denso e volume não denso medidos durante cada triagem.  O conjunto de validação foi baseado em 14.040 mulheres na pré-menopausa atendidas nos centros entre 2010 e 2015. No grupo de descoberta, as mulheres com história familiar de câncer de mama apresentaram maior densidade percentual volumétrica (odds ratio [OR], 1,25; P < 0,001). O conjunto de validação produziu um resultado semelhante (OR, 1,30; intervalo de confiança de 95%, 1,17-1,45). As subanálises revelaram associações semelhantes em mulheres brancas e negras não hispânicas ou afro-americanas.

O estudo atual incluiu uma porcentagem maior de mulheres com histórico familiar de câncer de mama do que estudos anteriores e também controlou mais variáveis. Isso pode ter removido variáveis %u200B%u200Bde confusão que poderiam ter afetado estudos anteriores, o que reforça a necessidade de iniciar a mamografia precocemente em mulheres que têm histórico familiar de câncer de mama.

O estudo teve algumas limitações, incluindo uma porcentagem maior de mulheres com histórico familiar de câncer de mama do que o National Health Interview Survey (23,2% e 15,3%, versus 8,4%), explicado pelo fato de mulheres com histórico familiar de câncer de mama  são mais propensos a procurar triagem. A idade média das mulheres foi de 47 anos, tornando-as mais próximas da perimenopausa do que da pré-menopausa.

Concluindo, podemos afirmar por esse estudo de coorte que ter uma história familiar para câncer de mama está positivamente associado à densidade mamográfica em mulheres na pré-menopausa, e a associação é consistente e robusta, independentemente de medidas qualitativas ou quantitativas de densidade mamográfica utilizadas.

Esses achados indicam que a história familiar de câncer de mama pode desempenhar um papel importante na densidade mamográfica e ressaltam a necessidade de se iniciar a mamografia de rastreamento anual em idade precoce para estas mulheres.

Fonte: UAI
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *