• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br

Adolescente é infectado por ameba comedora de cérebro após nadar em praia

Redação27 de julho de 20223min0
doença-bacteria-5-3c430f7b3e
Taxa de mortalidade por infecção causada pela ameba comedora de cérebro é de 97%,

Um adolescente de 13 anos foi internado em estado grave após ser infectado por uma rara ameba comedora de cérebro. O protozoário entrou no corpo da vítima depois de ela entrar em uma praia de Port Charlotte Beach Park, na Flórida, Estados Unidos. O caso foi revelado pelas autoridades na última sexta-feira (11) e foi divulgado pela CBS News.

Autoridades disseram que a ameba entrou pelo nariz do menino e infectou seu cérebro. O adolescente começou a passar mal e foi hospitalizado cinco dias após mergulhar no lago. O jovem começou a ter alucinações e a ficar desorientado. Então, os médicos acreditam que ele esteja infectado com a ameba.

A taxa de mortalidade por infecção causada pela ameba comedora de cérebro é de 97%, segundo o Centros de Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos. De 154 pessoas infectadas naquele país entre os anos de 1962 e 2021, apenas quatro sobreviveram.

Neste mês, um homem foi internado em estado grave após entrar em um lago de Iowa, no Missouri, na região Centro-Oeste dos Estados Unidos. Em 29 de setembro do ano passado, uma criança morreu no cidade de Arlington, no Texas, EUA, após contrair uma ameba comedora de cérebro quando brincava em uma fonte que fica em um parque no condado.

Como a ameba entra no corpo?

A ameba pode entar no corpo humano pelo nariz ou boca, quando a água contaminada é aspirada. Em contato com o corpo humano, o organismo se aloja no cérebro e ‘devora’ o órgão, levando à morte. Febre, dor de cabeça, vômito, intolerância a luz e sons são os principais sintomas da doença causada pela ameba.

O parasita Naegleria fowleri faz parte de um grupo chamado amebas de vida livre. Ele pode ser encontrado no meio ambiente, sobretudo em pscinas e lugares molhados ou áreas com água que não são tratadas corretamente, no solo e até mesmo em grãos de poeira.

Fonte: O Tempo

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *