• Muzambinho.com
  • loja.muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com

Calor excessivo: 2023 foi o ano mais quente registrado na história

Redação11 de janeiro de 202410min0
calor-39235
Estudo com dados foi publicado por importante centro de pesquisa europeu nesta terça-feira (9)

O ano de 2023 substituiu 2016 como o mais quente já registrado da história. Isso é o que aponta o Resumo Anual do Clima de 2023, publicado nesta terça-feira (9) pelo Copernicus Climate Change Service, importante centro de estudos da Europa.

Conforme os dados do Centro europeu, a temperatura média global em 2023 foi de 14,98ºC. Esse valor é 0,17ºC acima da média de 2016.

O calor é resultado do aumento da concentração dos gases do efeito estufa e da ocorrência do El Niño. Os cientistas já alertavam para o acontecido.

‘2023 foi o ano mais quente de que há registo, perto de 1,5°C acima do nível pré-industrial. As temperaturas durante 2023 provavelmente excederam as de qualquer período pelo menos nos últimos 100.000 anos’ escreveu Samantha Burgess, diretora adjunta do Copernicus, nas redes sociais.

fig4a_GCH2023_ERA5_surface_temperature_anomaly_annual_2023.png
Mapa aponta temperaturas e anomalias na superfície do planeta em 2023

Copernicus | Reprodução

Além disso, pela primeira vez, todos os dias de um ano ficaram 1ºC acima do nível pré-industrial, entre 1850 e 1990.

El Niño

O último ano também foi marcado por uma transição de fenômenos climáticos, com o fim do La Niña. No início de julho, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) declarou o começo do El Niño, caracterizado pelo aumento da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico.

A elevação da temperatura média das bacias oceânicas, e em particular no Atlântico Norte, desempenharam um papel importante na quebra de recordes de temperaturas médias globais.

El Niño animation
Animação mostra ocorrência do fenômeno El Niño, com aumento da temperatura média das águas do Pacífico

Copernicus | Reprodução

A temperatura elevada já era esperada?

O relatório aponta que, apesar de uma temperatura elevada ser esperada, o aumento foi além do previsto. O calor foi visto como inevitável, devido à combinação do aquecimento climático contínuo e a ocorrência do El Niño.

Na Europa, 2023 foi o segundo ano mais quente da história, com 1,02ºC acima da média de 1991 a 2020. No entanto, o ano encerrado não superou as médias de temperatura de 2020 no continente, que atingiram 1,20ºC a mais.

O inverno europeu foi o segundo inverno mais quente já registrado e setembro foi o mês mais quente no continente.

Por sua vez, na Antártida, o gelo atingiu extensões baixas recorde para a época, com extensões diária e mensal atingindo mínimos históricos em fevereiro de 2023.

Aumento dos gases do efeito estufa

As concentrações atmosféricas de dióxido de carbono e metano também atingiram níveis recordes em 2023, sendo, respectivamente, 419 ppm e 1.902 ppb.

Fonte: Itatiaia

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Aki Tem Muzambinho

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *