Perda de olfato por coronavírus pode significar infecção menos grave; entenda

Redação29 de abril de 20207min0
20200428124732427232a
Comprometimento olfativo sugere que doença pode ser leve a moderada e ajuda profissionais de saúde a determinar necessidade de hospitalização

Após um estudo anterior que validou a perda de olfato e paladar como indicadores da infecção por SARS-CoV-2, pesquisadores da UC San Diego Health relataram em descobertas recentemente publicadas que o comprometimento olfativo sugere que a doença COVID-19 tem mais probabilidade de ser leve a moderada, sendo um potencial indicador precoce que poderia ajudar os profissionais de saúde a determinar quais pacientes podem necessitar de hospitalização.

As descobertas foram publicadas on-line em 24 de abril de 2020 na revista International Forum of Allergy & Rhinology.

“Um dos desafios imediatos para os profissionais de saúde é determinar como tratar as pessoas infectadas pelo novo coronavírus“, disse a primeira autora, Carol Yan, MD, rinologista e cirurgiã de cabeça e pescoço da UC San Diego Health. “Se eles apresentarem sintomas leves ou ausentes, poderão voltar para casa em quarentena e provavelmente não precisarão de hospitalização. Essas são questões cruciais para os hospitais que tentam alocar recursos médicos de maneira eficiente e eficaz”.

O último estudo da Dra. Yan sugere que a perda do olfato pode ser fator preditivo de um curso clínico mais leve da COVID-19.

“A normosmia ou o olfato normal é um preditor independente de admissão nos casos COVID-19″, disse Yan. “Em pesquisas anteriores, descobrimos que a perda da função olfativa é um sintoma precoce comum, após febre fadiga.

“O que é notável nas novas descobertas é que parece que a perda do olfato pode ser um preditor de que uma infecção por SARS-CoV-2 não será tão grave e menos provável de exigir hospitalização. Se uma pessoa infectada perde esse sentido, parece ser mais provável que ela apresente sintomas mais leves, exceto se tiver outros fatores de risco subjacentes “.

Esses fatores de risco relatados anteriormente por outros estudos incluem a idade (os idosos têm maior risco de doenças graves) e condições médicas subjacentes, como doença pulmonar crônicaproblemas cardíacos gravesdiabetes obesidade.

O estudo mais recente dos pesquisadores foi uma análise retrospectiva entre 03 de março e 08 de abril deste ano e incluiu 169 pacientes que testaram positivo para COVID-19 na UC San Diego Health. Dados olfativos e gustativos foram obtidos para 128 dos 169 pacientes; 26 dos quais necessitaram de hospitalização.

Os pacientes que foram hospitalizados para tratamento com COVID-19 tiveram uma probabilidade significativamente menor de relatar anosmia ou perda de olfato (26,9% em comparação com 66,7% em pessoas infectadas com COVID-19 tratadas em ambulatório). Porcentagens semelhantes foram encontradas para a perda do paladar, conhecida como disgeusia.

“Os pacientes que relataram perda de olfato tiveram uma probabilidade 10 vezes menor de serem admitidos para COVID-19 em comparação com aqueles sem perda de olfato”, disse o autor sênior DeConde, também rinologista e cirurgião de cabeça e pescoço.

Os pesquisadores disseram que os resultados sugerem algumas das características fisiopatológicas da infecção. “O local e a dosagem da carga viral inicial, juntamente com a eficácia da resposta imune do hospedeiro, são todas variáveis potencialmente importantes na determinação da propagação do vírus em uma pessoa e, finalmente, no curso clínico da infecção”, disse DeConde.

Em outras palavras, se o vírus SARS-CoV-2 se concentrar inicialmente no nariz e nas vias aéreas superiores, onde afeta a função olfativa, isso pode resultar em uma infecção menos grave e súbita no início, diminuindo o risco de sobrecarregar o sistema imunológico do hospedeiro e causar insuficiência respiratória e hospitalização.

“Essa é uma hipótese, mas também é semelhante ao conceito subjacente às vacinas vivas”, disse DeConde. “Em baixa dosagem e em um local distante da inoculação, o hospedeiro pode gerar uma resposta imune sem infecção grave”.

A perda do olfato, disse ele, também pode indicar uma resposta imune robusta que foi localizada nas passagens nasais, limitando os efeitos em outras partes do corpo.

Os pesquisadores observaram que seu estudo era limitado em escopo e por sua natureza: confiar na autorrelato de anosmia gera uma maior chance de viés de recordação. Pacientes investigados após o diagnóstico de COVID-19 e pacientes com doença respiratória grave que necessitaram de hospitalização podem não ter lembrado bem sobre a da perda de olfato.

Estudos adicionais e mais expansivos são necessários para validação, disseram eles, mas que os resultados têm importantes aplicações práticas imediatas para os sistemas de saúde e os pacientes, disso não há dúvidas.

Fonte: Saúde Plena

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *