• Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Vacinação em Minas Gerais: entenda prioridades e como funciona

Redação22 de janeiro de 20218min0
20210121182952267455u
Vídeo explica quando será a sua vez de receber a vacina e tira dúvidas sobre o programa de imunização em MG e Belo Horizonte

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial da CoronaVac, vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Na segunda-feira (18/01), o governo federal distribuiu entre os estados a primeira remessa com 6 milhões de doses, que iniciaram a vacinaçãoMinas Gerais recebeu 577.480 unidades do imuzante.

O número de doses ainda é muito abaixo do que realmente é preciso para tentar conter o avanço do vírus, mas a esta altura do isolamento social, o que todo mundo quer saber mesmo é: “Quando serei vacinado?”. Para entender em qual lugar da fila da vacinação você está, primeiro, é preciso saber como funciona o plano de vacinação aqui em Minas.

No estado, a escolha dos contemplados nesta primeira fase de imunização segue critérios do Ministério da Saúde, mas há diferenças entre as estratégias adotadas pelo governo de Minas e as prefeituras. O Plano Nacional de Vacinação definiu que a imunização no país vai ser distribuída em quatro etapas, para contemplar grupos prioritários.

Plano Nacional de Vacinação

A primeira fase terá como prioridade trabalhadores da saúde, idosos com mais de 60 anos em instituições de longa permanência e indígenas. Na segunda fase, a imunização será focada nos idosos de 60 a 74 anos que não vivem em instituições de longa permanência.

Pessoas com comorbidades, como diabetes, câncer e doenças crônicas, entre outras, serão imunizadas na terceira etapa. A quarta fase vai focar professores, forças de segurança, trabalhadores do sistema prisional, pessoas privadas de liberdade, portadores de deficiências e moradores de ruas.

Plano Nacional de Vacinação é dividido em quatro etapas para contemplar grupos prioritários(foto: Arte/Hudson Franco)

“A maior parte dos países têm planos de vacinação muito semelhantes aos nossos. Que parte do princípio que precisa ser priorizado aquele grupo que tem maior risco de ter doença grave e morrer por conta da doença”, destaca Luana Araujo,  infectologista e mestre em saúde pública.

Grupo não prioritário

Agora, se você não está incluído em algum desses grupos, seu lugar é no final da fila da vacinação. Isso porque o plano nacional categorizou o restante como grupo não prioritário. Nele, estão inclusas as pessoas menores de 60 anos, que não estão em condição de vulnerabilidade, não atuam profissões essenciais e não têm comorbidade.

A cobertura vacinal da população vai acontecer à medida que mais doses da vacina forem sendo disponibilizadas. “Nós só vamos conseguir um rebanho coletivo, que vai ajudar a acabar com a pandemia, durante os próximos meses, quem sabe, no segundo semestre”, projeta Estevão Urbano, infectologista e presidente da Sociedade Mineira de Infectologia.

Fonte: Estado de Minas

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *