MG: 149 escolas tiveram suspeita de COVID no último mês, diz pesquisa

Redação3 de dezembro de 20216min0
escolaAula23138134u89
Documento foi elaborado pela deputada estadual Beatriz Cerqueira e encaminhado para o governo de Minas. Estado afirma que 49 escolas estão sem aula

A deputada estadual Beatriz Cerqueira (PT), que preside a Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), encaminhou para a secretária de estado de Educação, Júlia Sant’Anna, uma relação de 149 escolas em mais de 60 cidades mineiras que tiveram suspeitas da contaminação por COVID-19 após retorno das aulas presenciais.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE-MG), Minas Gerais possui 3.500 escolas estaduais e, dessas, 49 estão com as aulas presenciais suspensas temporariamente em razão de casos de COVID-19 suspeitos ou comprovados.

A deputada cobrou providências da SEE em relação ao retorno obrigatório das aulas presenciais em uma rede de ensino marcada pela precariedade e falta de investimento para a melhoria das condições sanitárias.

O documento foi entregue durante reunião realizada pela Assembleia Legislativa para avaliar a gestão do governo Romeu Zema na última quarta-feira (1º/12). Os números foram recolhidos desde o dia 9 de novembro.

”Com a decisão do governo do estado de determinar o retorno presencial obrigatório das aulas na rede estadual, passei a receber muitas denúncias de casos de suspeitas e de contaminação confirmados de COVID e a demora em realizar protocolos de suspensão das atividades escolares”, disse a deputada.

Por isso, ela criou um monitoramento para que a comunidade escolar pudesse ter onde denunciar essas situações. “Como ajuizei uma Ação Popular contra essa decisão do governo, também informei ao juiz desta situação”, disse.

Segundo Beatriz, o que mais chamou mais a atenção no levantamento foi a demora do governo estadual em tomar providências e não afastar profissionais da educação dessas escolas.

“Tivemos situações em que uma escola suspendeu as aulas, mas a professora, que também trabalhava em outra escola estadual, continuou trabalhando e testou positivo”, denunciou.

Na lista consta 16 escolas de Belo Horizonte, seis de Mariana (Região Central), cinco de Leopoldina (Zona da Mata), quatro de Betim (Região Metropolitana), quatro de Contagem (Região Metropolitana), entre outras escolas distribuídas em mais de 60 cidades mineiras.

“As escolas com suspeita ou contaminação confirmada de COVID já são de conhecimento do governo. Também apresentei a relação na reunião do Assembleia Fiscaliza sobre educação”, acrescentou a deputada.

O que diz o governo de Minas 

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE-MG) informou que segue o protocolo sanitário de retorno às atividades escolares presenciais da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

De acordo com a SEE, Minas Gerais possui 3.500 escolas estaduais e, dessas, 49 estão, atualmente, estão com as aulas presenciais suspensas temporariamente em razão de casos de COVID-19 suspeitos ou comprovados.

Ainda segundo a pasta, ”esse número representa 2% do total de escolas da rede estadual de ensino. Para os alunos dessas instituições, as atividades são realizadas pelo regime remoto, durante o período de suspensão, para que não haja prejuízo ao aprendizado.”

“O protocolo determina o monitoramento de casos suspeitos de COVID-19 e orienta que servidores ou estudantes que apresentarem sintomas da doença comuniquem a situação à direção da escola, sendo imediatamente afastados das atividades presenciais. O protocolo também prevê a suspensão por 14 dias das atividades presenciais quando há mais de um caso suspeito e com diagnóstico confirmado de COVID-19 em uma mesma turma, turno ou escola, sendo analisada cada situação de forma específica, migrando o atendimento aos alunos para o regime remoto em todos os casos necessários”, informou.

Segundo a nota, o cumprimento do protocolo é extremamente importante para manter a segurança dos servidores e alunos da rede estadual. “A Vigilância Sanitária de cada município é quem conduz a investigação epidemiológica e orienta os gestores na aplicação do protocolo de suspensão de aulas”, informou.

A SEE ainda informou que acompanha diariamente o cenário epidemiológico em todo estado desde o início do processo de retomada das atividades presenciais, em 21 de junho. ”Os dados são monitorados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), a fim de realizar a vigilância e traçar estratégias rápidas de ação oportuna.”

Fonte: Estado de Minas
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *