• muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br

Campanha em Minas Gerais vai coletar absorventes para meninas em vulnerabilidade

Redação8 de junho de 20222min0
ezgif-1-33a7a31bb6
Escolas particulares serão responsáveis por receber os itens; em todo o Brasil, 4 milhões de adolescentes não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais

Com objetivo de auxiliar meninas e mulheres que não têm acesso a absorventes, inicia nesta quarta-feira (8) em Minas Gerais a campanha “Adote um Ciclo”, promovida pelo Instituto ELA – Educadoras do Brasil.

Escolas particulares de todo o Estado que participarem da ação irão coletar o item e distribui-lo para hospitais e escolas públicos, além de também repassarem para organizações não governamentais (ONGs). Os postos de coleta serão divulgados em breve.

De acordo com a gestora estadual e diretora do Colégio Santa Dorotéia, Zuleica Reis, a ação é de grande importância para que muitas mulheres em situação de vulnerabilidade possam passar pelo período menstrual de uma maneira mais digna.

Ela destaca que diversas meninas, quando estão menstruadas, sequer conseguem frequentar as salas de aula, por não terem acesso a absorventes. “O problema da pobreza menstrual existe e causa uma série de impactos”, diz ela.

Zuleica Reis ainda explica que, além da coleta e doações, outros tipos de ações serão realizadas nas escolas públicas.

“Serão feitas campanhas junto às alunas focando questões como a menstruação e os cuidados com a higiene, entre outras. Ainda existe um tabu muito grande sobre o assunto. Palestras serão feitas com profissionais da saúde para levar mais informações para as meninas”, afirma ela.

Dados do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostram que em todo Brasil 713 mil meninas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em casa.

Além disso, mais de 4 milhões de adolescentes não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nos colégios. Para Zuleica, os dados precisam de muita atenção. “Até hoje, pouco se discutiu sobre esse assunto”, afirma.

Fonte: O Tempo

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *