• loja.muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Projeto testa adaptabilidade de cultivares de café Conilon em Minas

Redação14 de setembro de 20235min0
coffeee12134237
Espécie, muito usada na fabricação dos cafés solúveis, é mais resistente que o café Arábica e tem um amargor mais presente e marcante

Minas não tem tradição na produção do café Conilon, bastante usado pela indústria na produção dos cafés solúveis. O maior estado produtor é o Espírito Santo que responde por 70% da produção nacional. Mas isso pode mudar. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), existem 292 municípios em Minas Gerais aptos para a produção do Conilon, sobretudo nas regiões baixas e quentes do leste do estado.

Eles só precisam de um “empurrãozinho”. E ele pode vir na forma de uma pesquisa, conduzida pela Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), para testar a adaptabilidade de quatro cultivares de Conilon. O objetivo é multiplicar mudas que devem começar a ser vendidas a partir de novembro deste ano.

O projeto batizado de “Expansão do Café Conilon na Região Leste do estado de Minas Gerais”´ é financiado pelo MAPA e já proporcionou a instalação de dois jardins clonais nos Campos Experimentais da Empresa nos municípios de Leopoldina e Oratórios. Firmamos uma parceria com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e adquirimos material genético das cultivares Centenária ES8132, Diamante ES8112, Jequitibá ES8122 e Marilândia ES8143, para a realização de experimentos.

“Atualmente, quando um produtor quer iniciar o cultivo precisa trazer mudas de outros estados. Por isso, o projeto prevê a instalação de viveiros, onde estamos multiplicando as mudas dessas cultivares, para comercializá-las aos produtores”, explica o pesquisador da EPAMIG, e coordenador do projeto, Fábio Tancredi.

Segundo ele, a meta da Empresa é produzir cerca de 200 mil mudas nos viveiros de Leopoldina e Oratórios. Além disso, a equipe está treinando a mão de obra para prosseguir com o cultivo e atender à demanda. “No ano passado, realizamos um projeto piloto e produzimos cerca de 10 mil mudas das cultivares Marilândia ES8143 e Diamante ES8112, que começarão a ser vendidas entre novembro e dezembro deste ano. Inclusive, a procura já começou e a EPAMIG já tem recebido diversos pedidos”, completa Fábio.

Melhoramento Genético

O pesquisador lembra ainda que a EPAMIG também está envolvida em um programa de melhoramento genético do café Conilon, com o objetivo de registrar junto ao MAPA um material genético especificamente adaptado para as condições de Minas Gerais. “Estamos avançando nessas pesquisas e nos aproximamos da próxima etapa do melhoramento, que é a fase de identificação de compatibilidade genética de cada clone que temos testado”, relata Fábio Tancredi.

Alternativa de renda 

Maurício Milton é produtor de café Conilon em Macuco, distrito de Muriaé. Seu pai iniciou o cultivo em 1998, com mudas trazidas do Espírito Santo. “O Arábica sofre bastante com o calor daqui, mesmo com uma adubação mais potente, por isso decidimos cultivar o Conilon”, contou. “O problema é que quando quero comprar mudas, preciso procurar muito longe, às vezes em outros estados. Então, ter um material sendo produzido aqui perto vai incentivar o pessoal da região a produzir. Eu mesmo tenho interesse em pegar algumas mudas e plantar mais uns 500 pés”.

Entenda a diferença entre Café Arábica e Conilon

  • O Conilon tem 23 cromossomos e o Arábica, 44.
  • O conilon tem as folhas maiores e mais enrugadas, e o Arábica tem as folhas mais lisas e  menores.

Diferenças na lavoura

  • O conilon tem uma característica de multicaules saindo de uma mesma planta.
  • O Arábica tem apenas um caule.
  • Com relação à produtividade, o Conilon produz muito mais do que Arábica, além de ser mais resistente.
  • Quanto ao manejo, o café conilon é mais resistente do que o arábica. O arábica requer mais cuidados do agricultor.
  • O café arábica costuma ser mais ácido ou seco e suave. Já o conilon tem um amargor mais presente e marcante.

Fonte: Agência Minas e Epamig

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Aki Tem Muzambinho

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *