• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com
  • loja.muzambinho.com

Por que Brasil deixou de recomendar uso das vacinas AstraZeneca e Janssen contra covid-19

Redação8 de maio de 202414min0
vacina_de_oxford_astrazeneca_2701214156_1
A interrupção do uso e produção do imunizante foi feita por possível risco aumentado de trombose dias após a vacinação

O Ministério da Saúde não recomenda mais o uso de vacinas de vetor viral (AstraZeneca e Janssen) como reforço contra a covid-19.

As vacinas de vetor viral são criadas a partir de um tipo de adenovírus que não prejudica a saúde humana.

No interior dele, os cientistas inserem alguns genes do Sars-CoV-2, fazendo com que a imunidade de quem recebeu a dose seja treinada contra o causador da covid-19 sem receber os danos da infecção.

Quem tomou qualquer uma das vacinas, no entanto – seja como primeira dose ou reforço – não deve se preocupar.

A interrupção do uso e produção do imunizante pelo Ministério da Saúde nada tem a ver com a eficácia, mas sim com um possível risco aumentado de trombose dias após a vacinação, segundo documento publicado pelo Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde informa que, até o dia 17 de setembro de 2022, foram notificados no e-SUS – excluindo dados de São Paulo, que não foram divulgados no documento – 98 casos (0,02 casos por 100 mil doses aplicadas) com suspeita de Síndrome de Trombose com Trombocitopenia (queda de plaquetas) com relação temporal com as vacinas.

Destes casos, segundo o órgão, 34 foram atribuídos às vacinas de vetor viral, 17 casos foram registrados como com relação provável e 47 ocorrências foram consideradas casos possíveis.

Os quadros, que foram mais comuns em mulheres, aconteceram em um período máximo de 30 dias após a aplicação. Quem recebeu a dose há mais tempo e não desenvolveu trombose, não é considerado em estado de risco relacionado à vacina.

A correlação, segundo cientistas, não está totalmente clara, ou seja: não se tem certeza que foram as vacinas que causaram os raros quadros de trombose. Mas, pela oferta de outras opções e alta porcentagem da população vacinada, o Ministério da Saúde recomenda não usar a dose, eliminando um possível risco.

O Ministério da Saúde ainda prevê o uso das vacinas de vetor viral caso outras opções estejam em falta.

Em nota à BBC News Brasil após a publicação original desta reportagem, a AstraZeneca afirmou:

“A AstraZeneca reforça que a vacina contra a covid-19 Vaxzevria apresenta um perfil de segurança favorável, assim como já declarado pela Organização Mundial da Saúde e outros órgãos internacionais, em que os benefícios da vacinação superam quaisquer riscos potenciais.

É importante ver que esta análise conduzida a partir de um grande banco de dados de registros eletrônicos de saúde constatou que a mortalidade por todas as causas, incluindo a cardíaca, não aumentaram entre os jovens que receberam vacinas contra a covid-19.

Ressaltamos que o estudo também analisou a relação da vacina Vaxzevria com mortes de mulheres jovens de 12 a 29 anos, evidenciando que não foi possível estabelecer nenhum vínculo causal. Os autores também afirmam que é difícil estender qualquer conclusão para o público em geral porque a vacina foi usada apenas durante um curto período de tempo e em uma população selecionada.”

A BBC News Brasil também pediu um posicionamento para a farmacêutica Janssen, mas não obteve resposta até o momento desta publicação.

Por que as vacinas de vetor viral poderiam causar trombose?

“Existe uma possibilidade de algumas pessoas – e não temos como identificar isso individualmente – possuírem uma característica genética, muito pessoal, que em contato com essas vacinas de vetor viral, favorecer à hipercoagulabilidade, favorecendo a criação de trombos”, explica infectologista Evaldo Stanislau de Araújo, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

De acordo com o documento do Ministério da Saúde, “devido à raridade das ocorrências, ainda não foi possível identificar fatores de risco associados à síndrome, a exceção de um aparente aumento do risco em indivíduos com idade abaixo de 40 anos de idade”.

Na avaliação do imunologista Gustavo Cabral, não é possível afirmar com confiança, justamente pela falta de clareza na associação, de que as vacinas são responsáveis pelos casos de trombose.

“Os estudos científicos que tenho lido são muito bons, mas falta muita explicação para como a vacina vai ser o gatilho”, aponta ele, que é pesquisador da Universidade de São Paulo e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Apesar da falta de explicação detalhada, Cabral entende que a decisão do Ministério da Saúde é razoável no momento epidemiológico atual, no qual as vacinas de vetor viral não são indispensáveis como eram no ápice da pandemia.

mulher recebendo vacina
Chance de trombose ao contrair covid é muito maior do que desenvolver após vacinação(foto: Getty Images)

Vacina de vetor viral cumpriu seu papel em momento crítico

Entre as possíveis consequências de uma infecção de covid-19 está justamente a criação de trombos — com uma incidência, inclusive, muito maior do que a correlação feita com as vacinas de vetores virais.

Um estudo publicado na revista científica Radiology mostra que, entre 3.342 infectados com covid-19 que precisaram de hospitalização a taxa de trombose foi de 16,5%.

“Em 2021, quando a possibilidade dessas vacinas causarem quadros trombóticos surgiu, estávamos em um momento de pouca oferta de imunizantes e diante de uma doença que tem como característica causar trombose. Deixar de vacinar por uma vacina que hipoteticamente causaria o quadro não seria correto na época”, avalia o infectologista.

“Esse raciocínio, em 2023, já não vale mais. O benefício da vacina hoje é inferior e é inaceitável oferecer risco trombótico. Grande parte da população está vacinada com múltiplas doses, ou seja, temos uma população protegida e uma oferta maior de vacinas. Não é razoável fazer a mesma análise.”

As recomendações atuais

A produção do soro da vacina da AstraZeneca pela Fiocruz, que tinha um acordo para produzir uma versão nacionalizada do imunizante, foi interrompida.

A maioria dos pacientes tinha menos de 40 anos, e por isso, a recomendação oficial apresentada no documento é que as vacinas de vetor viral

Cabral também chama atenção para o fato de que, após uma dose inicial de vacina de vetor viral, o melhor é usar, para reforço, outro tipo de tecnologia.

“Essas vacinas de vetor viral carregam informações do vírus até as nossas células. Nas doses seguintes essa informação já chega de forma menos efetiva.”

O que são os trombos e por que são perigosos

Os trombos são coágulos sanguíneos formados nas veias ou artérias que dificultam a circulação do sangue e podem aparecer em diferentes partes do corpo.

A depender do local e tamanho, os coágulos podem ser considerados mais perigosos. Nos pulmões ou no cérebro, por exemplo, podem bloquear o fluxo sanguíneo vital e levar a danos permanentes e até à morte.

O texto relatório aponta que a forma clínica mais frequentemente reportada foi trombose venosa cerebral. Há também relatos de trombose de veias intrabdominais, tromboembolismo pulmonar e tromboses arteriais.

Pessoa recebendo vacina
Diferentes países já adotaram restrições nas indicações de uso das vacinas de vetor viral(foto: Getty Images)

Orientação segue recomendação de outros países

Diferentes países já adotaram restrições nas indicações de uso das vacinas de vetor viral.

Atualmente o CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos recomenda que a vacina Janssen seja utilizada apenas em situações onde exista contraindicação para o uso das demais vacinas, em situações de limitação de acesso às demais vacinas ou para indivíduos que desejem se vacinar com a Janssen apesar das preocupações relacionadas à segurança.

O NHS (National Health Service), sistema público do Reino Unido, indica o uso preferencial das vacinas Pfizer ou Moderna para pessoas abaixo de 40 anos. Já no Canadá as vacinas de vetor viral são indicadas apenas quando existe contraindicação do uso das demais vacinas autorizadas no país.

Fonte: BBC News Brasil

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Aki Tem Muzambinho

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *