• Muzambinho.com
  • muzambinho.com.br
  • muzambinho.com.br
  • Muzambinho.com

Entenda o que muda com as novas regras do cheque especial

Julia Toledo4 de julho de 20184min0
mat14foto
Conjunto de novas normas do cheque especial entra em vigor no início de julho com a intenção de reduzir os juros da modalidade de crédito.

No mês de julho começam a valer as novas regras anunciadas em abril para o cheque especial. O objetivo com a medida definida pelos próprios bancos é reduzir o índice de inadimplência nessa modalidade e, assim, conseguir uma redução nos juros.

Entre o que foi estabelecido pelas novas regras, os bancos deverão avisar automaticamente quando o cliente utilizar o cheque especial e ficar negativado na conta corrente. Como uma das novas ações para promover a orientação financeira, esse alerta informará sobre a contratação do produto e reforçará que ele deve ser usado apenas em situações emergenciais.

Já para os clientes que usarem mais de 15% do limite da conta ao longo de um mês, o banco entrará em contato para oferecer espontaneamente alternativas de crédito mais baratas, a fim de possibilitar o financiamento da dívida. Caso o consumidor não aceite a oferta fornecida e permaneça utilizando o produto, a instituição financeira voltará a fazer a mesma proposta 30 dias depois.

Alternativas ao cheque especial também deverão ser disponibilizadas aos seus usuários a qualquer momento e independentemente do valor utilizado. Basta que os clientes entrem em contato com o banco e perguntem sobre opções mais vantajosas para o pagamento do saldo devedor.

Esse conjunto de novas regras pretende diminuir o número de inadimplentes nessa modalidade de crédito e, assim, conseguir reduzir os juros – que atingiram média de 321% ao ano em abril. Ele traz, porém, o risco de que o cliente opte pelo financiamento da dívida do cheque especial, mas, no mês seguinte, retorne para a modalidade inicial de crédito. Se isso acontecer, ele deixará de ter uma única dívida para trocá-la por duas e, talvez, futuramente, por mais. Por isso, alguns especialistas e planejadores financeiros temem que a alteração das normas eleve o índice de superendividamento, situação em que mais de 50% da renda está comprometida com débitos.

“As mudanças tendem a diminuir o valor pago em juros, mas isso não significa que a modalidade seja indicada quando a pessoa precisa de dinheiro”, alerta o CEO do aplicativo de finanças GuiaBolso, Thiago Alvarez. Para casos emergenciais, um empréstimo consignado ou online podem oferecer taxas de juros muito mais atrativas para o consumidor.

O crédito consignado oferece, em média, uma taxa de juros de 2% ao mês, mas não é oferecido a todas as pessoas. Empréstimos online possuem taxas que começam em 1,9% ao mês. “O segredo é pesquisar e comparar o custo efetivo total (CET), quanto de fato a pessoa irá pagar, e não só a taxa de juros”, recomenda Alvarez.

 

Fonte: G1.com.br

  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com
  • Muzambinho.com

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *